Apostas: Abril/2013

Como esperado, última temporada foi lastimável. O que garantia aquela ansiosidade de esperar o próximo episódio semanalmente eram as continuações dos animes já em exibição desde o ano passado [JoJo’s Bizarre Adventure, Shin Sekai Yori, Zetsuen no Tempest]. Essa – já de praxe nas temporadas de Abril e Outubro –  está bem superior, com grande diversidade, adaptações de originais premiados e tentativas de bom sucesso comercial.

Aqui, podemos e, muito provavelmente, erraremos em algum lugar. Na temporada passada, Sasami-san@Ganbaranai, Amnesia e Maoyuu Maou Yuusha [graças a sua péssima execução] foram as “bolas fora” que dei. São somente apostas baseadas em trailers, equipe, obra original e alguns outros critérios. Da mesma forma, posso não citar obras que venham a ser boas [Alguém esperava que Kotoura-san se destacasse?], mas tudo faz parte do jogo. Resumindo, só falarei um pouco das obras que mais me interessam.

Ah, e temos um novo acréscimo à postagem: Algumas adaptações de mangá serão comentadas por outros redatores que chegaram a lê-las. Em preto, teremos apontamentos do Herect sobre Shingeki no Kyojin e do House sobre Aku no Hana e Mushibugyou. Dessa forma, entregamos uma opinião mais certeira sobre o que degustaremos nos próximos três meses. Finalmente, as apostas.

Aku no Hana

Expectativa: 09/10

Gênero: Psicológico/Drama/Romance

Sinopse: Kasuga Takao, um introspectivo garoto aficionado por livros, é perdidamente apaixonado por uma colega de sua escola, Nanako Saeki. Sentimento que guardava para si mesmo até que, certo dia, esquece seu livro favorito na sala [Aku no Hana ou As Flores do Mal, em português] e volta para pegá-lo. No entanto, não encontra somente sua cópia na sala, mas também as roupas de Educação Física de sua musa. Num ato impulsivo, rouba-as.

Toda a classe comenta que “algum pervertido” furtou as roupas de Saeki, deixando nosso protagonista morto de culpa e arrependimento. Logo depois, descobre que a mais esquisita garota da classe e que não possuía amigo algum, Nakamura, o flagrou no ato. Em troca de não contar o que viu, força-o a fechar um “contrato”, passando a tomar controle de sua vida.

Comentários: Ouvi dizerem uma vez que Aku no Hana é “um pesadelo em forma de mangá”, e esse me parece um resumo temático perfeito. O mangá está constantemente pedindo e provocando reações diferentes do leitor: uma hora você ri da cara do personagem principal, mas logo depois você se sente meio mal por isso. Aku no Hana é um pesadelo, e não é o seu. De vez em quando é engraçado ver o protagonista sofrendo (ele passa muito longe de ser o cara mais simpático de todos os tempos), e de vez em quando, você sente pena do cara por estar numa confusão tão insana.

O que eu quero dizer é que Aku no Hana é um negócio extremamente difícil de adaptar. O roteiro é muito bom e o anime provavelmente contará com isso, mas muito depende da direção. O mangá consegue oscilar entre essas duas reações muito bem (apesar de nem sempre dar 100% certo) com minúsculas mudanças no esqueleto da situação, confiando muito em coisas como ritmo, enquadramento e todos esses aspectos mais técnicos. Se o diretor do anime de Aku no Hana pegar isso muito bem, ou até mesmo se receber um roteiro mais “sólido”, que não tenha tanta variação de tema, então Aku no Hana pode ser um anime realmente sensacional. Mas o mangá como é, adaptado sem muito raciocínio por trás, pode gerar algo falho em todos os sentidos da palavra. É uma verdadeira corda-bamba. 

Sinceramente, estou gostando bastante dessas novas investidas do ZEXCS. Após o romance açucarado que cumpriu seu propósito e a comédia escrachada que dividiu opiniões, seu novo projeto é um psicológico em que observamos um protagonista de dar pena sendo usado por sua sádica colega. Quanto à equipe, temos a mesma do genial Mushishi, que deverá driblar qualquer baixo investimento com o intenso uso de rotoscopia [como mostra o trailer do anime, que nem ao menos cedeu o design de seus personagens] aliado ao mangá que não necessita de uma animação de ponta [vários quadros estáticos e foques nos personagens].

Estúdio: ZEXCS

Direção: Nagahama Hiroshi [Mushishi, Detroit Metal City]

Roteiro: Itami Aki [Mushishi, Fruits Basket]

Obra original: Mangá – oito volumes, em andamento

Trailer: [1]

MyAnimeList: [X]

Shingeki no Kyojin

Expectativa: 09/10

Gênero: Ação/Fantasia/Drama

Sinopse: Vários séculos atrás, a humanidade quase foi exterminada por titãs. Esses são seres enormes, que parecem não possuir inteligência e devoram humanos pelo prazer, e não por necessidade de alimento. Os poucos sobreviventes construíram uma cidade com muralhas enormes, ainda maiores que o maior dos titãs.

Durante cerca de cem anos, os humanos viveram em paz, excluídos do “mundo exterior”. No entanto, o jovem Elen e sua irmã adotiva, Misaka, testemunham algo terrível quando as muralhas são destruídas por um titã absurdamente grande: sua mãe sendo devorada viva enquanto titãs menores invadem a cidade. Nesse instante, Elen jura que matará todos os titãs e se vingará por tudo que fizeram à humanidade.

Comentários: O bem comentado mangá que vende horrores e sempre será lembrado por ser um hit antes rejeitado pela Weekly Shonen Jump ganha seu merecido anime. Além disso, vale lembrar que ganhou o Kodansha Manga Award que, sem dúvida, é uma das mais importantes premiações atuais. A adaptação tem em suas rédeas o ótimo Tetsurou Araki, o qual cai como uma luva para esse projeto [obra deliciosamente exagerada, regada a sangue e a passagens frenéticas para um mestre em cativar o espectador]. Ao seu lado, vem Yasuko Kobayashi, roteirista experiente que já fez dobradinha com ele no _clássico_ do caderninho e da maçã e mostra-se em forma no seu excelente trabalho no anime que mais sentirei falta dessa leva [JoJo’s Bizarre Adventure].

Não existe muito aonde a adaptação para anime do recente e popular mangá Shingeki no Kyojin possa errar. SnK é uma obra objetiva e pouco ortodoxa. Pode se argumentar que em sua temática existem elementos não tão simples assim; entretanto, sua estrutura de narração, arte e personagens não tem nada de muito diferente que poderia causar dor de cabeça aos animadores.  Com exceção das partes com bastante ação (e chegaremos lá), não tem nada que aparente ser difícil de animar e que exija novas técnicas ou uma nova abordagem. Ou que já não tenha sido visto bem animado com capricho (e orçamento) suficientes. As principais competências de SnK estão no seu enredo, universo e personagens, que são excepcionalmente sólidos. Nada necessariamente muito inovador, apenas o de sempre, só que muito bem feito.

Onde existe desafio para os animadores são as partes com ação. Shingeki combina lutas acrobáticas e frenéticas com enfrentamentos titânicos e brutais. Enquanto um estilo é focado na cinética e estratégia (que pede por um determinado tipo de técnica de animação), o outro é focado na selvageria, massividade e é protagonizado em meio a uma atmosfera pesadíssima e muito particular. As lutas em Shingeki são muito importantes. É o que muita gente espera ver bem feito na adaptação.

De resto, é o de sempre. Não mudar a ordem cronológica dos acontecimentos. Não criar fucking finais e rumos alternativos para a história. Isso é o que mais irrita os fãs e que mais frustra uma boa adaptação. Em Shingeki no Kyojin, ainda é mais verdade já que a obra conta com um excelente enredo e um universo cheio de mistérios interessantes.

O WIT Studio, pouco conhecido de nome, é o irmão mais novo do Production I.G [obviamente, será um dos estúdios que auxiliará na produção de SnK], já que ambos são subsidiários da I.G Port. Sabemos que o Production I.G não é o mesmo de antigamente e, sinceramente, espero que não façam pouco caso de Shingeki, focando o investimento na nova obra do Urobuchi. É certo que a versão para TV será bem censurada [não espero cortes, somente cenas pretas e poucas amenizações], o que deverá levar a um bom retorno nos DVDs/BDs [como aconteceu naquele anime que citar o nome já ficaria repetitivo demais]. Meu último temor é um CGI pobretão [que, na verdade, seria consequência de um mal investimento, porque temos um bom time], pois, como bem dito pelo Herect, precisamos de certo capital para conseguir um bom resultado em suas lutas frenéticas e fluidas.

Estúdio: WIT Studio

Direção: Tetsurou Araki [Death Note, Highschool of the Dead]

Roteiro: Kobayashi Yasuko [Death Note, JoJo’s Bizarre Adventure]

Obra original: Mangá – dez volumes, em andamento

Trailer: [1]

MyAnimeList: [X]

Suisei no Gargantia

Expectativa: 08/10

Gênero: Sci-fi/Psicológico

Sinopse: A história começa num futuro distante, numa galáxia longínqua. A Aliança Galáctica Humana tem lutado constantemente pela sua sobrevivência contra uma grotesca raça de seres denominada “Hidiaazu”. Durante uma intensa batalha, o jovem tenente Redo e sua ferramenta humanoide Chamber são engolidos por uma distorção no espaço-tempo. Ao acordar do seu estado de hibernação artificialmente induzido, Redo descobre que aterrissou na Terra [mais especificamente, na frota Gargantia], planeta fronteiriço completamente inundado, onde pessoas vivem em enormes navios e buscam relíquias das profundezas do oceano para sobreviver. Sem conhecimento algum da cultura ou história do planeta, nosso protagonista é forçado a conviver com Ami, garota de quinze anos que trabalha como mensageira. Para Redo, que antes vivia em guerra constante, dias de paz como esses continuam a surpreendê-lo.

Comentários: Pouco tenho a falar deste daqui. O que mais chama a atenção é o roteiro do senhor Gen Urobuchi, que ainda não deve no cartório – Psycho-Pass mostrou-se bem inferior aos últimos que tinham seu nome nas telinhas, mas continua com certo padrão de qualidade –, apesar deste parecer bem diferente de seus outros projetos. Pelo trailer, parece menos sombrio e exageradamente pretensioso que o habitual, mas nada duvido que sejamos surpreendidos (novamente). Também temos um diretor especialista em mecha – apesar de sua inexperiência como diretor “principal” poder pesar –, fazendo-nos pressupor que esses serão uma constante no anime, sendo ou não seu foco [conhecendo o Urobuchi, não acredito que largaria os diálogos lapidados feat. críticas sociais tão facilmente]. Além disso, o que nos assusta em Shingeki no Kyojin nos alegra aqui, pois o pv indica que teremos um original caprichado no quesito animação.

Estúdio: Production I.G

Diretor: Kazuya Murata [Code Geass, Eureka Seven – episódios]

Roteirista: Urobuchi Gen [Mahou Shoujo Madoka Magica, PSYCHO-PASS]

Obra original: –

Trailers: [1] – [2]

MyAnimeList: [X]

Yahari Ore no Seishun Love Come wa Machigatteiru

Expectativa: 08/10

Gênero: Comédia/Romance

Sinopse: Hikigaya Hachiman é um antissocial que possui uma visão distorcida sobre a adolescência, ou melhor, sobre a vida em si. Em sua concepção, a animação de seus colegas em relação a adolescência não passa de uma mentira. Seu sonho para o futuro é não precisar trabalhar. Graças a sua excêntrica personalidade, uma professora o obriga a entrar no “Clube do Serviço Voluntário”, onde encontra a mais bela garota da escola [ou vocês esperavam o Batman?], Yukinoshita Yukino.

Comentários: Após não ter um bom retorno financeiro nos seus três últimos animes [Sengoku Collection, Tonari no Kaibutsu-kun e não terá em Amnesia], 0 Brain’s Base apela para a adaptação de uma Light Novel popular, com um harém mesclado a uma comédia romântica [estratégia que gera lucro caso bem executada, vide Hanagai e OreShura]. Infelizmente, temos outro diretor novato, que somente dirigiu episódios soltos e, neste aqui, ainda há um roteirista pouco experiente com outros trabalhos bem distantes do foco de Oregairu [apelido da série]. Ouvi boas críticas sobre a obra original e, nesse estilo, é o anime mais esperado da temporada por mim.

Estúdio: Brain’s Base

Diretor: Yoshimura Ai [Ore no Imouto, Ano Hana – episódios]

Roteirista: Shoutarou Suga [Rinne no Lagrange]

Trailer: [1]

MyAnimeList: [X]

Kakumei Valvrave

Expectativa: 08/10

Gênero: Mecha/Sci-fi

Sinopse: A história se passa numa era em que 70% dos humanos vivem no espaço, graças ao desenvolvimento de cidades espaciais. Entre duas grandes potências – a “Dorushia Military Pact Federation” e os “Atlantic Ring United States (ARUS)” –, há uma pequena cidade neutra chamada Jouiru que vive um período de prosperidade econômica. Tokishima Haruko, um estudante que mora em Jouiru, encontra a “proibida” arma humanoide no mesmo momento em que Dorushia invade sua cidade.

Comentários: A Sunrise retorna ao seu porto seguro: mechas [aliado a este, há o retorno de Gundam em HD, que deverá acarretar em boas vendas]. O plot não parece diferenciar muito do que sempre temos, embates políticos e mixed feelings como já é marca registrada do estúdio. É bem interessante observar o character design da autora de D. Gray Man, talvez por esse tipo de estratégia atrair fãs do mangá [como, provavelmente, deve ter acontecido com PSYCHO-PASS e Akira Amano]. O roteiro original de Ichiro Okouchi [Code Geass] deve entregar o que nós procuramos, enquanto o diretor possui em seu currículo uma diversidade de obras medianas que pode levar a um bom resultado. Esperemos.

Estúdio: Sunrise

Diretor: Kou Matsuo [Natsuyuki Rendezvous, Kure-nai]

Roteirista: Ichiro Okuichi [Code Geass, Planetes]

Obra original: –

Trailers: [1] – [2]

MyAnimeList: [X]

Photo Kan

Expectativa: 05/10

Gênero: Harém/Romance

Sinopse: Estudante do Ensino Médio ganha uma câmera DSLR de seu pai e inicia um novo hobby: Tirar foto de garotas. Romance, encontros e formação de harém é mera coincidência.

Comentários: Várias seiyuus minunciosamente escolhidas para capturar a atenção [e o dinheiro] do público otaku e encher o caixa do (semi-)falido Madhouse.  Em contrapartida, as principais atividades do anime ficam a cargo de um único e inexperiente indivíduo. Com até confirmação do triste trabalho no preview, é um Amagami SS de pobre [descobri que será um único cour, logo, duvido que usem o esquema dos arcos separados].

Estúdio: Madhouse

Direção: Akitoshi Yokayama [Deadman Wonderland, Kaiba – episódios]

Roteirista: Akitoshi Yokayama [Deadman Wonderland, Seirei no Moribito – episódios]

Obra original: Jogo de PSP.

Trailer: [1]

MyAnimeList: [X]

Joujin Senjin!!  Mushibugyou

Mushibugyou

Expectativa: 05/10

Gênero: Ação/Ecchi

Sinopse: Estamos no período Edo, início do século XVIII. O oitavo xogum, Tokugawa Yoshimune, ordena que instalem caixas de sugestões pela cidade para ouvir os anseios da população. Como resultado, cria-se o Mushibugyou – grupo de guerreiros com habilidades diversas cujo é objetivo de proteger a cidade de terríveis monstros.

Comentários: Esse é outro anime cuja qualidade vai depender bem pouco do roteiro, porque tem muito pouco de especial no mangá em si. O protagonista é simples, mas carismático, e tem uma relação interessante com seu pai (que está muito distante do foco da história, então não esperem muito disso), mas o resto do elenco é extremamente uni-dimensional (até onde li, pelo menos) e a história não parece ter objetivo definido. Uma das coisas mais legais do mangá é a arte, que lembra bastante Shaman King. Se o anime adaptar bem isso e conseguir fazer lutas visualmente animadoras, então deve valer a meia hora semanal. Sem isso, bom, provavelmente vai ter coisa melhor pra assistir.

Sendo sucinto, battleshonen até o talo com fanservice mais que moderado. Pode ser um bom entretenimento descompromissado, mas até nisso tenho minhas dúvidas graças ao orçamento pífio e time de adaptação bem medíocre.

Estúdio: Seven Arcs Picture

Diretor: Takayuki Hamana [Moshidora]

Roteirista: Youichi Katou [Aikatsu!]

Obra original: Mangá – três volumes, completo

Trailers: [1] – [2]

MyAnimeList: [X]

Hentai Ouji to Warawanai Neko

Expectativa: 06/10

Gênero: Comédia/Romance

Sinopse: Youto Yokudera sempre está pensando em seus “desejos carnais”, mas ninguém tem conhecimento que aquele garoto aparentemente tímido é, na verdade, um pervertido. Ao ouvir sobre uma estátua que supostamente realiza desejos, Youto decide ir até ela para pedir que pudesse expressar seus sentimentos mais lascívios quando e como quisesse.

Quando chega na estátua, Yokudera é surpreendido ao encontrar Tsukiko Tsutsukakushi, garota que possui um desejo completamente oposto: não poder mostrar suas verdadeiras intenções tão facilmente.

Comentários: O estúdio mais debochado desde sempre, J.C Staff, realmente traz diversas obras dispensáveis. No entanto, é notável que sua especialidade são obras acerca da vida escolar, unidas a uma boa comédia romântica [Sakurasou no Pet na Kanojo, Toradora!]. E é esse o caso. Não me parece algo que se destacará na temporada, mas poderá ser bem agradável de assistir.

Estúdio: J.C Staff

Diretor: Youhei Suzuko [Nodame Cantabile, Toradora! – episódios]

Roteirista: Michiko Itou [Nodame Cantabile, Toradora! – episódios]

Obra original: Light Novel – cinco volumes, em andamento

Trailers: [1] – [2]

MyAnimeList: [X]

Danchi Tomoo

Expectativa: ??/10

Gênero: Comédia

Sinopse: Uma emocionante e, às vezes, nonsense comédia sobre um garoto do fundamental, Tomoo Kinoshita.

Comentários: O que dizer sobre esse aqui? O que mais me chama atenção é a direção de Ayumu Watanabe, que ano passado fez os sucessos da crítica [e, sim, dois dos melhores animes do ano] Uchuu Kyoudai e Nazo no Kanojo X. O mangá também já foi três vezes indicado ao Prêmio Cultural Osamu Tezuka, um dos mais importantes atualmente. Provavelmente, será mais utilizado para divulgação do mangá e não contará com um bom investimento, mas Ayumu também não tinha lá essas coisas nos seus outros trabalhos. Se algum fansub fazer a caridade de traduzir ao menos para inglês, acompanharei.

Estúdio: NHK

Diretor: Ayumu Watanabe [Nazo no Kanojo X, Uchuu Kyoudai, Doraemon]

Roteirista: Michihiro Tsuchiya [Cross Game, Major S1]

Obra original: Mangá – vinte e um volumes, em andamento

Trailer: [1]

MyAnimeList: [X]

Arata Kangatari

Expectativa: 07/10

Gênero: Aventura/Fantasia

Sinopse: Em um mundo onde humanos e deuses coexistem, uma nova princesa da família Hime é escolhida a cada trinta anos. Contudo, nenhuma garota havia nascido, forçando  Arata a infeliz honra de ser o sucessor do clã. Isso significa que ele terá que se passar por um mulher ou ser morto caso seu verdadeiro gênero seja descoberto. No festival de sua nomeação, uma invasão de assassinos o obriga a fugir – e, de alguma forma, reaparece no Japão atual. De forma análoga, um garoto chamado Arata Hinohara é jogado no universo do primeiro Arata, fazendo-os ter que se adaptar às suas novas vidas.

Comentários: Baseado num original bem elogiado, Arata Kangatari dificilmente decepcionará. Utilizando a já manjada “troca de universos”, podemos esperar um bom battleshonen em que nossos protagonistas possuem um desenvolvimento gradativo, regado a superação já esperada no estilo. Caso gostem do anime [que não adaptará nem mesmo metade do mangá], a Panini trouxe o título já faz algum tempo para nosso país,  aqui conhecido como “O mito de Arata”. Afinal, se o título for bom, por qual motivo não deveria comprá-lo?

Estúdio: Satelight

Direção: Kenji Yasuda [Shugo Chara!]

Roteirista: Mayori Sekijima [Saber Marionette J]

Obra original: Mangá – dezessete volumes, em andamento

Trailers: [1] – [2]

MyAnimeList: [X]

Considerações Finais

Por falta de vontade, nada falei do já estreado Red Data Girl [que ainda não assisti], do sucessor de Persona 4 e da mais nova investida otaku do AIC após perder OreImo para o A-1 Pictures, Date a Live. Talvez, somente talvez, atualize o post com sinopses e impressões desses [ou de algum deles]. Também vale ressaltar que temos reexibição de outro trabalho do Nishio Ishin, Katanagatari, ocupando o espaço do não-tão-mais-excepcional bloco noitaminA, e novas temporadas de outras obras que muitos fãs esperavam ansiosamente [Azazel-san, Railgun  e o próprio Ore no Imouto].

E, por último, mas não menos importante, o filme de Steins;Gate está previsto para o fim de Abril. Não sei quando lançarão a tradução [Blood-C saiu num instante], porém logo poderemos matar novamente a saudade de Okabe, Kurisu e companhia.

Outras opiniões:

Another Warehouse/Elfen Lied Brasil/Hajimari no Sora

Sobre Hegff

Apenas mais um perdido neste mundo.
Esse post foi publicado em Temporada e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Apostas: Abril/2013

  1. Shiro disse:

    “Sucessor de Persona 4” já chega a ser blasfêmia, afinal, Devil Survivor é uma linha diferente de Persona. Vamos ver o que essa nova temporada nos espera; os novos amigos que iremos fazer; e as novas aventuras que iremos encontrar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s