Passeio pelos primórdios do Cinema…

Nas próximas semanas publicarei uma série de textos sobre os grandes nomes que fundaram a arte cinematográfica, começando nos últimos anos do século XIX. São figuras decisivas para o surgimento dos pilares da gramática cinematográfica.

Por hoje, como introdução, deixo apenas alguns filmes para descobrirem estas maravilhas escondidas.

Vários dos cineastas elencados produziram muitos filmes de qualidade, mas preferi a limitação de por hoje citar apenas uma obra de cada autor.

Notem a variedade, de filmes puramente experimentais a outros apenas para diversão da plateia, de narrativas dramáticas a críticas sociais, e a criatividade no uso dos efeitos especiais, incluindo o início dos filmes de animação.

Encerrei a seleção em 1910, pois depois dali os filmes de longa duração passam a ser comuns, e de início prefiro focar nos curtas.

 

Émile Reynaud (França)

Pauvre Pierrot! (1892)

 

Max Skladanowski (Alemanha)

Das Boxende Känguruh (1895)

 

Louis e Auguste Lumière (França)

L’Arroseur Arrosé (1895)

 

Alfred Clarck (EUA)

The Execution of Mary, Queen of Scots (1895)

 

William K. L. Dickson (EUA)

The Irvin-May Kiss (1896)

 

Cecil Hepworth (Inglaterra)

Explosion of a Motor Car (1900)

 

Frederick Armitage (EUA)

Building Up and Demolishing the Star Theatre (1901)

 

Ferdinand Zecca (França)

Histoire d’un Crime (1901)

 

Robert Paul (Inglaterra)

The countryman’s first sight of the animated pictures (1901) (referência ao famoso filme de Lumière)

 

James Williamson (Inglaterra)

The Big Swallow (1901)

 

Georges Méliès

Le Voyage dans la Lune (1902)

 

Edwin Porter (EUA)

The Great Train Robbery (1903)

 

George A. Smith (Inglaterra)

Mary Jane’s Mishap (1903)

 

Alice Guy-Blaché (França)

Les Résultats du Féminisme (1906)

 

George W. Bitzer (EUA)

Impossible Convicts (1906)

 

Segundo de Chomón (França/Espanha)

El Hotel Electrico (1908)

 

Louis Gasnier, estrelando Max Linder (França)

Le premier cigare d’un collégien (1908)

 

James Blackton (EUA)

The Thieving Hand (1908)

 

Émile Cohl (França)

Fantasmagorie (1908)

 

André Calmettes (França)

L’Assassinat du Duc de Guise (1908)

 

James Young Deer (EUA)

White Fawn’s Devotion (1910)

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Pesquisa, Recomendação. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Passeio pelos primórdios do Cinema…

  1. Musashi disse:

    É engraçado pensar que a maioria maciça dos citados são basicamente todos interligados, relações feitas por arroubos das mais variáveis emoções. Também pudera, é simplesmente a criação de uma Arte.
    De fato é até estranho o poder e o fascínio que imagens sequencias tem sobre mim, você e qualquer amante da 7ª Arte.
    Fellini( e este manjava) certa vez disse o Cinema é o modo mais direto de se entrar em competição com Deus. Impactante. Irreal? Não, de forma alguma.
    A partir do momento que você consegue por sonhos e transpor seus pensamentos, analises, neuroses em imagens, a cara, não posso negar, você tem algo Divino sim.
    Ele tem outra bela frase – como você deve saber – que é esta, a que eu mais gosto por sinal:
    “Falar sobre sonhos é como falar de filmes, uma vez que o cinema utiliza a linguagem dos sonhos; anos podem passar em um segundo e você pode ir de um local para outro. É uma linguagem feita de imagens. E no verdadeiro cinema, cada objeto e cada luz significa alguma coisa, como em um sonho.”

    E tudo vem destes seres primordiais ai em cima, é importante o que você se dispôs a fazer, continue.

    • Vaca disse:

      Não conhecia esse comentário do Fellini, mas eu concordo inteiramente com a ideia de cinema como linguagem dos sonhos. Tem um post meu sobre isso tempos atrás.

      E o cinema tem um fascínio grande também por trabalhar quase todos os sentidos. Em uma imagem você consegue trabalhar infinidade de símbolos e significados.

      Eu vou continuar sim essas postagens. Nesse feriado vou postar o texto que pega os pioneiros antes de Méliès.
      Continue postando sr. Samurai, é sempre muito bonito ler seus posts apaixonados pela sétima arte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s