Ryutaro Nakamura (1955 – 2013)

Nakamura, Ryutaro

Ryutaro Nakamura está morto.

Na verdade, já faz quase um mês que ele morreu, no dia 29 de Junho, mas só descobri hoje. Erro meu. Seria um erro ainda maior não tentar homenageá-lo, mesmo que atrasado.

Não conheço toda sua obra, apenas dois dos animes que dirigiu, mas isso é o suficiente para dizer pelo menos o seguinte: Ryutaro Nakamura foi um dos artistas mais interessantes da animação japonesa.

O diretor de uma obra visual, seja ela um filme, uma série ou um curta, um live-action ou uma animação, é o maior responsável pelo tom da obra, pela forma como a história, os personagens e o tema serão captados pelo público. Ele pode elevar roteiros medianos, e pode rebaixar roteiros excelentes. É um papel completamente crucial.

Em Kino no Tabi, Nakamura conduziu o tom e comandou a obra como mestre. Todos os lindos detalhes do anime, dos tons nada vivos aos silêncios cortados por frases reflexivas, são mérito dele. Kino é uma personagem única e impressionante, digna de um espaço muito maior que esse diminuto parágrafo, e enquanto não foi Nakamura que a criou, foi ele que construiu a obra que se apresenta ao redor dela, como a perfeita tela em que a viajante pode ser pintada como merece.

Mas o trabalho de Nakamura em Kino no Tabi é minúsculo perto do trabalho de Nakamura no que talvez seja o mais interessante anime das últimas décadas. Serial Experiments Lain.

Yoshitoshi ABe cria o brilhante conceito original, Chiaki Konaka cria o excelente roteiro, e Ryutaro Nakamura potencializa tudo isso, transfere para a tela, e dá vida a Lain. Toda a estética e atmosfera que faz o espectador entender claramente o poder e relevância da Wired é crédito de Nakamura. A onipresença dos fios de eletricidade, os tons vermelhos com constante presença nas sombras (o “outro mundo”), a icônica roupa de urso usada por Lain (que representa bem literalmente um isolamento do mundo normal), apenas pra ficar em toques tangíveis adicionados pessoalmente por ele.

Esse trio, o trio que criou uma das obras mais impressionantes que jamais conhecerei, planejava se juntar para criar Despera, que, pelo que sabemos, seria um anime sobre uma garota que constrói aparelhos avançados sem o conhecimento científico teoricamente necessário para tal. E provavelmente seria uma masterpiece. Eu estava tão ansioso por isso quanto se pode ficar.

Despera nunca vai sair. Depois de meses de luta contra um câncer de pâncreas, Ryutaro Nakamura está morto.

Suas obras têm o direito de viver pra sempre.

Anúncios

Sobre rauzi

Escrevendo para me lembrar que era verdade.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Ryutaro Nakamura (1955 – 2013)

  1. rubiopaloosa disse:

    Recomendo muito Colorful dele, uma obra experimental em todos os aspectos.

  2. Antonio Henrique disse:

    Vai fazer falta, grande gênio, Serial Experiments Lain é sem dúvida uma das obras mais criativas e únicas das últimas décadas. Pena que deixou uma obra engatilhada, Despera, estava prevista para 2009, mas fui saber que desde aquela época ele estava doente.

  3. Galitzine disse:

    R.I.P. Ryutaro Nakamura… Serial Experiments Lain é sem dúvida um clássico. Mistura inúmeros gêneros. Um dos poucos animes que consegue cativar somente com o enredo: Sem personagens carismáticos, sensualidade ou um mínimo de calor humano. Algo que, ao meu ver, permanece até hoje inigualável…

  4. Leitor disse:

    R.I.P Ryutaro Nakamura. R.I.P. All Fiction.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s